Consultórios e Horários

Consultórios e Horários


Consultório Copacabana
HAND CARE - 3 feira de 1500 as 1700
Rua Xavier da Silveira 45, cob 01
Telefone 25218644 - 996422446


Consultório Barra
Ortobarra - 5·Feira de 14:00 as 18:00
Av. das Americas 3333 Sala 910
Telefone 3325-0870 / 3328-7182 3151-3000 / 3153-1574




segunda-feira, 7 de março de 2016

Abordagem à Criança Vítima de Trauma


Sulim Abramovici *, Renata Waksman ** * Supervisor do Projeto Socorro Pediátrico do Hospital Santa Marcelina ** Pediatra do Hospital Israelita Albert Einstein ** Membro do Departamento Cientifico de Segurança da Criança e do Adolescente da SBP

 
I - INTRODUÇÃO
Trauma e a doenca do seculo XX e pode ser classificada corretamente como uma epidemia que, se não forem tomadas medidas eficazes para um programa nacional de prevenção, devera se transformar em uma tragédia mais intensa no inicio do novo milênio. As causas externas (acidentes e violências) representam em nosso pais, a principal causa de morte nas crianças e adolescentes na faixa etária de 5 a 19 anos. Contribuem com 57% do total de mortalidade na faixa de O a 19 anos, segundo dados do Ministério da Saúde de 1995, publicados em 1998, sendo que os acidentes de transporte representaram 30% deste total. A região sudeste do pais contribui com o maior numero de mortos devidos a estas causa, seguida da região nordeste. Os principais traumas que levam a morte em nosso pais são os atropelamentos, quedas, afogamentos etc., mas as violências (homicidios, suicidio) na faixa da adolescência assumem importante papel, sobrepondo-se as demais causas. Infelizmente muitas dessas crianças apresentam traumatismo craniano, a despeito de leis recentes que tomam obrigatorio o uso de cintos de seguranca nos automoveis e das campanhas de prevenção de acidentes. As quedas são outra causa comum de traumatismo na infancia e, em geral, ocorrem em criancas menores. A vitimização e outro problema significative que exige atenção dos pediatras que atendem criancas acidentadas no ambiente domestico. O impressionante aumento de crimes violentos nas grandes cidades resultou em um aumento do numero de traumatismos penetrantes em criancas. Atualmente sete em cada dez adolescentes, morrem por causas extemas. A morte por trauma apresenta uma distribuição trimodal: quando o indice de mortalidade e plotado em função do tempo apos lesão, aparecem tres picos:
Primeiro pico - Mortes imediatas que ocorrem na primeira hora e invariavelmente são causadas por lacerações do cerebro, tronco cerebral, medula espinal, coração e grandes vasos.
Segundo pico - Mortes precoces que ocorrem nas primeiras 4 horas e são geralmente causadas por hemorragia intensa resultante das lesões no sistema respiratorio, orgãos abdominais e sistema nervoso central. Quase todas as lesões deste grupo são consideradas trataveis pelos procedimentos medicos disponiveis atualmente. O intervalo entre a lesão e o terapeutico definitive e critico para a recuperação.
Terceiro pico - Mortes tardias representam as pessoas que morrem dias ou semanas apos o trauma. Em quase 80% dos casos, a morte e causada por infecção ou falencia de multiples orgãos.
A regionalização e hierarquização do atendimento medico, associadas a criação de Centros de Trauma são de importancia vital para a redução da morbidade e mortalidade, representando a melhor forma de oferecer tratamento continuo desde o evento ate a reabilitação. No Brasil, com frequencia os principals procedimentos que deveriam ser prestados nos hospitals encaminhadores não foram realizados, como por exempio, intubaâo, venoclise, expansão de volume, drenagem de torax, imobilização de fraturas, tratamento de ferimento e acompanhamento medico. As criancas que morrem logo apos o acidente, tern como principais mecanismos de morte: comprometimento das vias aereas, cheque hipovolemico e lesão do sistema nervoso central. A abordagem das vias aereas e o componente mats critico da reanimação inicial de uma crianca traumatizada. Para o trauma craniencefalico e de suma importancia a ventilação e oxigenação adequadas para minimizar lesões cerebrais. Os coeficientes indicam a existencia de um numero muito alto de acidentes fatais, cujas caracteristicas evidenciam a necessidade de medidas que evitem que as criancas e adolescentes permanecam tão vulneraveis e tambem deixam patente a necessidade de se tentar melhorar a assistencia as vitimas de trauma. 

II - SUPORTE AVANÇADO DE VIDA
O atendimento inicial da crianca politraumatizada obedece a sequencia "ABCDE", segundo rotina do curso Suporte Avancado de Vida em Pediatria, da American Heart Association. 
A = "airway" = vias aéreas
B = "breathing" = respiração
C = "circulation" = circulação
D = "disability" = avaliação neurológica
E = "exposure" = exposição 
A - VIAS AEREAS
A crianca apresenta diferencas anatomicas quando comparadas ao adulto, que tomam mais dificeis a manutenção das vias aereas permeaveis e a intubação traqueal. 
O estabelecimento de via aerea permeavel com proteção simultanea da coluna cervical e muito dificil na crianca vitima de politraumatismo. As vias aereas são
facilmente obstruidas por corpos estranhos como sangue, muco e fragmentos de dente, e devem ser limpas e aspiradas com cuidado, eventualmente com pincas adequadas. Lesão de coluna cervical e menos comum em crianca, comparandose com os acidentes de adultos, porque a coluna e mais elastica e movel do que a do adulto e as vertebras, menos rigidas, são menos predispostas a fraturas. Apesar disso, o risco e grande, porque as criancas estão sujeitas a maiores forcas inerciais aplicadas ao pescoco durante o processo de aceleração-desaceleração, que ocorre principalmente em acidentes automobilisticos e quedas de altura. O risco aumenta, porque a cabeca da crianca e proporcionalmente maior do que a cabeca do adulto e tern efeito de impulsionar a crianca. Podem ocorrer, então, traumatismo craniano e lesão medular simultaneo. 
A intubação endotraqueal na crianca vftima de politraumatismo pode ser dificil, porque o pescoco deve permanecer em posição neutra e não pode ser hiperestendido durante o procedimento. 
Se a crianca esta adequadamente imobilizada e com colar cervical, a intubação endotraqueal pode ser feita por uma pessoa. Se isso não ocorre, a crianca esta agitada ou se existem duvidas da efetividade da imobilização cervical, uma pessoa deve estabilizar o pescoco e outra deve proceder a intubação. 
Intubação deve sempre ser precedida por ventilação com bolsa-mascara e oxigenação. Se a crianca esta consciente, a administração de bloqueador neuromuscular de ação curta com sedação ou anestesia pode ser necessária, para evitar concomitante aumento de pressão intracraniana. 
Em criancas vitimas de traumatismo, a cricotireoidotomia pode ser necessária na presenca de traumatismo facial grave ou em pacientes com lesão mstavel de coluna cervical. A via aerea deve ser mantida totalmente permeavel, enquanto a coluna cervical e imobilizada em posição neutra. Tração e movimento do pescoco devem ser evitados apos manutenção da via aerea e estabilização da coluna cervical. Um colar semi-rigido deve ser aplicado. As indicacões para intubação endotraqueal da crianca vitima de politraumatismo são: 
- Parada respiratoria  - - Falência respiratoria (hipoventilação, hipoxemia arterial apesar da suplementação de oxigênio e acidose respiratoria)  - Obstrução de vias aereas  - Escala de coma de Glasgow menor ou igual a 8 
Necessidade de suporte ventilatorio prolongado (lesões torácicas ou necessidade de exames diagnósticos). 
B - RESPIRAÇÃO
A efetividade da ventilação e oxigenação deve ser continuamente avaliada, observando-se expansibilidade simetrica e ausencia de cianose. 
A crianca traumatizada deve receber oxigenação suplementar na maior concentração possivel por meio de mascara. Se a respiração não for eficaz instituir ventilação assistida com bolsa-mascara com reservatorio para oferecer oxigênio a 100%. Essa assistencia deve eventualmente ser seguida por intubação endotraqueal. A ventilação da crianca pode estar comprometida por distensão gastrica, diminuindo a mobilidade do diafragma e aumentando o risco de vomitos e aspiração. Uma sonda naso ou orogastrica deve ser introduzida tão logo seja controlada a ventilação. 
C - CIRCULAÇÃO
A manutenção da circulação em criancas vitimas de trauma requer: controle de hemorragias extemas, suporte da função cardiovascular e perfusão sistemica, restauração e manutenção de volume sanguineo adequado. 
Intervenção cirurgica pode ser necessária para resolução de hemorragias intemas, o controle de hemorragias extemas pode ser feito com aplicação de compressas sob pressão diretamente sobre os ferimentos. 
A falta de diagnostico e tratamento de sangramentos mtemos e a principal causa da morte passivel de ser evitada em crianca politraumatizada. 
Sinais de cheque podem ser observados imediatamente ou podem evoluir lentamente seguindo ao traumatismo. Se a hemorragia aguda excede a 15% do volume sanguineo, sinais de falencia circulatoria (taquicardia, diminuição dos pulsos perifericos, aumento do tempo de enchimento capilar e extremidades frias) serão observados. 
Hipotensão não ocorre antes da perda aguda de 25 a 30% ou mais do volume sanguineo. Portanto, observação cuidadosa da perfusão e necessária continuamente e reanimação deve ser iniciada se houver comprometimento na perfusão sistemica. 
Acesso vascular deve ser providenciado rápidamente na crianca politraumatizada. Dots cateteres de grosso calibre devem ser colocados preferencialmente em membros superiores. 
A via intra-ossea e uma forma de acesso vascular em criancas menores de 6 anos, se uma via venosa não pode ser obtida rápidamente. 
Se essas tentativas não forem conseguidas com sucesso, a passagem percutanea de cateteres atraves de veia femoral, subclavia ou jugular, ou a dissecção, devem ser realizadas de acordo com a experiencia da equipe no atendimento. 
Se a perfusão sistemica e inadequada, mas a pressão sangiiinea e normal (cheque compensado), esta ocorrendo hipovolemia leve a moderada. A conduta e
reposição de volume com bolus de 20ml/kg de solução cristaloide (soro fisiologico ou Ringer lactato). Repetição de bolus de 20ml/kg pode ser necessária, se não houver melhora da perfusão. 
Se sinais de cheque persistem apos infusão de dois bolus de solução cristaloide, deve-se indicar transfusão de sangue. 
A presenca de hipotensão (cheque descompensado) indica a perda de 25 a 30% ou mats de volume, com necessidade de reposição de sangue. 
Transfusão urgente tambem e necessária se a crianca não responde a administração de 50ml/kg de solução cristaloide isotonica, podendo ser indicada intervenção cirurgica. 
Sangue deve ser administrado em bolus de lOml/kg de concentrado de hemacias altemados com solução fisiologica a temperatura do corpo. Tambem podem ser administrados bolus de 20ml/kg de sangue total, ate melhora da perfusão sistemica. Se o cheque persiste, apesar do controle de hemorragias extemas e da reposição de volume, e provavel a existencia de hemorragias intemas. 
D - AVALIAÇÃO NEUROLOGICA
Deve-se fazer um exame sumario das pupilas quanto ao tamanho, simetria e resposta a luz. O nivel de consciencia e avaliado atraves da correlação com a escala de coma de Glasgow. Indices iguais ou menores que 8 estão relacionados com mortalidade de 40% e sequelas neurologicas graves. 
E - EXPOSIÇÃO
A retirada da roupa e essencial para permitir um exame completo de todos os segmentos corporeos e facilitar a realização dos procedimentos. 
A crianca, principalmente o lactente, sofre rápida perda de calor por ter uma maior superficie corporea em relação ao peso, exigindo a monitorização da temperatura. A queda da temperatura leva ao aumento do consume do oxigênio e vasoconstrição periferica. Temperatura ambiente adequada e utilização de calor radiante ou cobertores eletricos são importantes durante o atendimento.
 
III - TRANSPORTE DA CRIANÇA POLITRAUMATIZADA
O objetivo basico do service de transporte e fomecer atendimento medico adequado, dentro do menor tempo possivel, respeitando as condicões de seguranca, assegurar a permeabilidade das vias aereas, acesso venoso apropriado, monitorizar parametros vitais e evitar deterioração clinica do paciente. Portanto deve estar capacitado a reanimar, estabilizar, transportar e preparar o paciente para o tratamento defmitivo. 
Iniciar o atendimento no local do acidente e colocar a vitima em condicões de receber o tratamento definitive e a premissa para reduzir a morbidade e mortalidade dos politraumatizados. Nas criancas, cerca de 40% das mortes que ocorrem no periodo entre o acidente e sua chegada ao hospital, apresentam causas trataveis. Estas mortes seriam evitadas com uma atuação em tempo habil e com particular enfase ãos cuidados com as vias aereas e controle da hemorragia em nivel pre-hospitalar. 
O transporte de pacientes de emergencia e classificado em resgate e remoção inter-hospitalar. O resgate refere-se ao atendimento no local do acidente e o encaminhamento para o hospital, A remoção destina-se as criancas atendidas em hospitals primaries e apos sua avaliação inicial se faz necessária sua transferencia para um hospital terciario, a fim de receber o tratamento definitivo. 

BIBLIOGRAFIA
1. American College of Surgeons. The Committee on Trauma: Advanced Trauma Life Support Course. Chicago, American College of Surgeons, 1993 
2. Birolini, D. Trauma: uma epidemia esquecida ou o Brasil nos tempos do trauma. Rev Ass Med Bras, 1991;37(2):53-54. 
3. Campos, J. A.; Oliveira, J. S. Acidentes na infância in Lima A. - Pediatria essencial - 4a. edição, Editora Atheneu. 1992; 76:715-726. 
4. Cramer, CK; Kingma, J et al. The pediatric polytrauma patient. Clin Orthop Relat Res 1995:318: 125-129 
5. Ferreira, AVS e Abramovici, S Crianca espancada. In: A crianca politraumatizada. Troster, EJ, Abramovici, Pinus, J e Stape, A. Ed. Roca, 1994 
6. Inaba, AS e Seward, P.N. An approach to pediatric trauma: unique anatomic and pathophysiologic aspects of the pediatric patient. Emer Med Clin North Amer, 1991, 9(3):523-548. 
7. Li, G, Tang, N et al. Cardiopulmonary ressuscitation in pediatric trauma patients: survival and functional outcome. J Trauma. 1999,47:1-7 
8. Mello Jorge, MHP. Como morrem os nossos jovens. In: CNPD, jovens acontecendo na trilha das politicas publicas. Brasilia, 1998. 
9. Pediatric Advanced Life Support. American Heart Association, Dallas, 1997 
10. Rivara FP e Aitken M. Prevention of injuries to children and adolescents. Advances in Pediatrics. 1998; 45:37-72 
11. Souza RL e Fonseca MCM. Politraumatizado. In: Emergencia e terapia intensiva pediatrica.Carvalho W, Souza N, Souza RL. Atheneu, SP, 1997; 561-72. 
12. Utiyama, E.M. e Schvartsman, C. Transporte da crianca politraumatizada. In: A crianca politraumatizada. Troster, EJ, Abramovici, S Pinus, J e Stape, A. Ed. Roca, 1994 
13. Waksman, RD. Caracteristicas epidemiologicas dos acidentes fatais de transporte em menores de quinze anos. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 1995 [tese de doutorado]. 

Documento Científico do Departamento de Segurança da Criança e do Adolescente