Consultórios e Horários

Consultórios e Horários


Consultório Copacabana
HAND CARE - 3 feira de 1500 as 1700
Rua Xavier da Silveira 45, cob 01
Telefone 25218644 - 996422446


Consultório Barra
Ortobarra - 5·Feira de 14:00 as 18:00
Av. das Americas 3333 Sala 910
Telefone 3325-0870 / 3328-7182 3151-3000 / 3153-1574




terça-feira, 3 de abril de 2018

Andar na ponta dos Pés - Equinismo na criança ( pé de bailarina )




Durante o inicio da marcha não é infrequente a criança deambular na ponta dos pés. Isso não é significado de uma alteração ortopédica. Muitas das vezes isso tem relação com a coordenação motora que ainda está em desenvolvimento. Os pais não precisam se desesperar nesses casos. A medida que ocorre o desenvolvimento, a marcha se estabiliza.

Apesar disso, algumas crianças apresentam um esteriótipo de andar na ponta dos pés. Por vezes persiste por anos, apesar das reclamações frequentes dos pais. Também tendem a desaperecer  nesses casos.

Duas causas ortopédicas podem estar relacionadas de forma mais comumente a marcha na ponta dos pés. A primeira é a Hipóxia Peri Natal, que leva a um atraso do desenvolvimento e a uma marcha em equino. A segunda,a mais comum, é o Encurtamento Congenito do Tendão de Aquiles (ECTA).

O ECTA nem sempre é detectado ao nascimento. Apesar de ser caracterizado como congênito, em muitas das vezes é evolutivo, e levamos alguns anos para confirmamos o diagnóstico. Muitas vezes, apesar de criança andar na ponta dos pés, seu exame inicial é normal e evolui com encurtamento com o passar dos anos.

Após o diagnóstico, o  tratamento consiste em três fases,que varia de acordo com a idade e grau de encurtamento do tendão. Quanto menor a idade e mais frouxo é o tendão, maior a chance do tratamento conservador dar bons resultados. Esse tratamento consiste na fisioterapia e aplicação da Toxina Botulinica no musculo encurtado..

Entretanto, quanto maior a criança e maior a rigidez articular, maior a probabilidade de necessitar do tratamento cirúrgico. Não há uma idade ideal, depende dos fatores relacionados acima. A cirurgia consiste no alongamento cirúrgico do tendão e uma imobilização de 4 a 6 semanas. Seguida de tratamento fisioterápico.